20 abril, 2019

Pensamento

"Numa sociedade completamente errada, só os errados estão certos."
Miro Couto

13 abril, 2019

Abril de novo

Restaurados no sistema
pelas mãos de que os pariu
querem encerrar de vez
as portas que abril abriu.


São canalhas travestidos
de senhores de academias
mas é com aventais vestidos
que nos fazem tiranias


Já nem jogos de cintura
a camafular a ignomínia
fazem tudo às claras
em plena luz do dia


Ocuparam postos cruciais
em lugares de decisão
por mais que denunciemos
ninguém vai para a prisão


canalhas de todo o tipo
de luva branca e ego cheio
falam ao povo de pulpito
criando ao povo receio


são chacais, vigaristas
são reles vermes fascistas
com mascaras bem pintadas
que permitem fortunas roubadas


Fazem grupinhos amestrados
onde os conluios de fazem
e os vassalos acobardados
assistem e dizem amén


assim vão as portas que abril abriu
com politicos de algibeira
corruptos, sentados na assembleia
e a vontade é manda-los a puta que os pariu


Somos apenas numeros vazio a sorte
que estes canalhas levam a sugar até à morte
defendendo os seus por ordem de um grão merda
e o povo sofre, geme e berra, sempre em perda


depois, sim um dia depois dirão
que o povo revoltado, os maltratou
e dirão que são o prec da revolução
e escondem a mão que nos esmagou.


Quando será que este povo
ganha consciencia de cidadania
e põe de molhos estes canalhas de novo
e acaba com esta enorme tirania


será que teremos de gritar de novo
e fazer abril mas só com povo
para acabar com a dor que impera
e fazer abril nova primavera


acabar com ignominia absurda
onde o povo calado sofre horrores
para permitir a estes canalhas senhores
levar uma vida faustosa em vez de uma surra.


E se não dermos as mãos, contra todos eles
acabaremos por ser apenas carneiros
nas mãos de lobos matreiros
que alimentam vampiros como eles.


Teremos que voltar a abrir portas
desta vez sem fechaduras
correr com estas corjas
este bando de cavalgaduras


e poder cantar de novo
a uma só voz todo o povo
que ninguém vergara vontades
e que abril será de todas as idades


construído só com verdades
criando um país novo

e para não cerrarem de novo
as portas que abril abriu
só a força de um povo
que a um só grito rugiu!


ide vermes bolorentos
para fora deste país redil
e vamos semear os ventos
que nos traga um novo Abril.


Miro Couto
13-04-2019


24 março, 2019

E não seria feliz

E não seria Feliz

Por varias vezes fui convidado a ser artista
a ir para os meios reconhecidos dos cantores
onde se promovem jovens simples a senhores
puxando egos, até poderem dar na vista

Por varias vezes tive de fazer opções
ser ilustre reconhecido, um vencedor
vendendo a alma a uns senhores mandões
passar a comerciante do meu amor

podia ter aceitado entrar em negocios
que corruptos me encheriam de dinheiro
e hoje em vez de ser um simples pardieiro
seria uma montanha brilhante cheio de ócios

Podia pegar nas humilhações que me sujeitaram
dizer basta e tornar-me um não menos igual
e apesar das dificuldades e do esmagamento total
todos aqueles que queriam, a minha alma nao compraram

podia ter sido um "senhor" ilustre e notado
bastava aceitar as regras podres nesta sociedade
ceder aos meus valores e ser mais um comprado
em vez da humildade a que cheguei nesta idade

poder eu podia, mas nunca quis
por muito choro e dor que ja senti
quando morrer estarei muito feliz
porque nunca a minha dignidade vendi.

e assim serei sempre feliz
sem ter contradições morais
e poder ser daqueles que diz
olhai para tudo o que eu fiz.

Miro Couto

24-03-2019

18 março, 2019

SEM PALAVRAS

Tenho receio de mim, pois a minha tempestade interior
pode balançar em tumultuosa tempestade
que não haverá escala para definir nem suportar
lavando toda a incúria, toda a maldade instalada
toda a vaidade cravada nas almas decadentes
onde o ego cego tanto que não há lentes que capacitem de ver


Olho, e aquela madrugada airosa e bela que aspirava
foge por entre brumas, por entre névoas carregadas
que nos arrojam a raiva, e nos fazem com dor penar
onde a morte é um simples soprar de aragem
acometida de suaves odores perfumados a mil cores
e não o castigo acutilante por tantos reverenciado 


Olho, e a pena que me dá de nada poder mudar
que nem a força e o meu penar mais triste e ofegante
poder levar nem que fosse apenas por um instante
esta triste amargura centrada do mundo a gritar.


Abraço-me, com tenaz força impiedosa
e em vez de verso faço de propósito prosa
neste planeta em sofreguidão de amor
e deixo meus braços cair, e todos caem em meu redor.


Miro Couto
18-03-2019


07 março, 2019

Caídos não vencidos

Caídos não vencidos

Ninguém aprecia caídos
mas quando os caídos não são vencidos
esses ainda são menos apreciados
pois não se vergam, não ficam calados

Ninguém aprecia falidos
como se fosse doença contagiante
toleram esses falhados temidos
sorriem a medo por um instante

Nesta sociedade perversa o valor
não é aquilo que és por dentro
és o que mostras com glamor
e aí tornas-te do mundo o centro

Mas quando com sabedoria vives
quando com caracter e personalidade
provas a tua verdadeira indentidade
e o teu caminho és tu que decides

nem imaginas os confrontos a vencer
as migalhas que te querem oferecer
como se de um bodo se tratasse
e sorris, para a plateia como se te bastasse

e depois, em silencio meditando
quanta pena te dá essa gente convencida
que se soubessem o que semeiam na vida
quando aprenderem sofrem gritando

E aí se faz derradeira a frase que sempre usei
Se o amor é um sentimento elevado, irmão
não quero ver mais ninguém no chão
Aprendam o mais possível com o amor que vos dei.

Miro Couto 7-03-2019

Mulher (a pedido da Carla Campos) ;)

Mulher

E tu Mulher, não és costela de ninguém
és força vida de ser, em aprendizagem
que nesta vida vestiste esta roupagem
que te fará aprender sempre e mais além

És mãe, companheira, amante e vida
és um ser humano que cala a dor sofrida
de parir outro ser humano estudante
que crescerá daquele instante

És fonte de frescura amorosa
forte, e bela como uma rosa
que verte amor à sua gente
de forma sempre presente

És emoção, calor e vontade
és força feita realidade
de união do fogo eterno
pelos que ama sofre o inverno

É pilar social, da família criada
e sem ela não eramos nada
e como ser espiritual eterno
consegue acalmar o inferno.

Miro Couto 7-03-2019

22 fevereiro, 2019

O ódio entre povos a quem serve?

O ódio entre povos, quem os alimenta?
Tenho amigos de todos os cantos do mundo.
Na Europa, estão espalhados por Espanha, França, Holanda, Inglaterra, Dinamarca, Alemanha, Itália, Roménia, Grécia, Rússia, Letónia, etc.
Pelo mundo, tenho amigos na China, em Macau, na India, no Brasil, em Cuba, no México, nos Estados Unidos, na Colombia, no Canadá, etc.
Todos eles se caracterizam (apesar das suas escolhas políticas e das suas crenças religiosas) por serem humanistas, serem pessoas de boa indole, de bom carácter, e de personalidades relativamente fortes, e que tem bom coração, pois preocupam.se com a humanidade.
Será que quando digo que os americanos querem roubar a Venezuela do seu petróleo do seu nióbio, do seu coltan, do seu ouro, estarei a referir-me ao povo americano? NUNCA!
Estou a referir-me aqueles que se apoderaram do poder e cometem essas canalhices, essa crueldade, essa matança pelo egoísmo de aniquilar povos e os roubar, os espoliar.
Da mesma forma, quando digo que nunca iria às filipinas, quero dizer que os povos das filipinas serão menos humanos que os outros? NUNCA! Apenas tem um louco assassino no poder, e que arbitráriamente decide quem vive e quem morre, e não gostaría de me ver num país em que não prepondera a justiça, o amor e a humanidade.
Quando vejo ódio entre povos, como foi odiada a Alemanha nazi, penso, mas os alemães que eu conheço tem alguma coisa que ver com os nazis? Ou pelo contrário são pessoas amáveis, educadas, bem formadas com vergonha do passado negro que os manchou? Sim, são boas pessoas e não tem nada que ver com os canalhas que elegidos foram crueis.
Vejo o ódio da Ucrania com a Rússia, pela sua história, pelas marcas que persistem no tempo, das ligações erradas da União soviética que fizeram escolhas erradas, mesmo alegando a defesa dos seus valores tantas vezes agredidos pelo ocidente que ainda hoje persiste em querer dominar os seus recursos naturais e até conseguiram uma perestroika, conseguiram retalhar a União soviética, para a tornar mais fácil de agredir ou de comprar corruptos apátridas para subverter os governos e poderem tomar conta dos bens naturais e do petroleo, mais uma vez.
Quando olhamos para o povo Russo, e penso logo de imediato no meu russo de estimação a viver em Portugal, vemos em todos eles pessoas erradas, estúpidas e crueis? ou temos o que eles tem, como todos os povos tem, uns mais que outros é verdade, pessoas más, estúpidas, agressivas, incultas, canalhas? Mas será que isso faz ou define todos? ou até a sua maioria? Não me parece, e eu acho que todos nós deveríamos não permitir que sejamos manipulados para odiar outros povos, para nos denegrirmos, para arranjarmos querelas, pois isso serve os intuitos dos canalhas que desejam a guerra para ficarem mais ricos ainda, à custa do sofrimento dos mais vulneráveis, dos mais fracos, dos mais pobres. Devemos agir depressa, e mudar a atitude de dizer que este ou aquele povo é assim ou assado, pela má experiência que tivemos, e devemos isso sim, dizer aos canalhas que no poder, bem colocados pelos que dominam as mentes menos preparadas, que somos todos Humanos, estejamos em que lugar da Terra estejamos, somos todos aprendizes a ser melhor pessoas, a sermos mais bondosos, mais humanos, e que em vez de ódios, precisamos de mais amor, de mais compaixão, de mais concórdia, de mais tolerância, de mais compaixão e de muito mais entreajuda. Um dia destes, irão entender do que falo, INFELIZMENTE.
Beijos a quem é de beijos e abraços a quem é de abraços, e abreijos a quem fôr de abreijos.
Miro Couto

30 janeiro, 2019

Perto do fim

Perto do fim

O Mundo está tão pesado
que me sinto sufocado
por ver tanta ignomia

tanta miséria à vista
a hipocrisia conquista
p'ra manter a mordomia

o mundo estupidificado
corrompido manietado
por canalhas sanguinários

deixa o futuro de lado
perdido no ódio rasgado
feito por seres mercenários

O Mundo está doente
ferido de forma permanente
nas entranhas, no seu âmago

e se não dermos as mãos
ateus, muçulmanos, cristãos
criando amor com desapego

Nada em breve restará
nem o Papa ou o Imã
nem soldado ou capitão

nem ministro ou general
nem rico ou pobre afinal
nem paz nem religião

nem felicidade ou pão
nem verdade ou a razão
restará apenas dor

a única possível salvação
é abraçar a população
em enormes laços de amor.

Miro Couto
30-01-2019

26 janeiro, 2019

Namorados

Namorados

Com fervente ingenuidade
num arrulhar de pombinhos
prendem as mãos em lacinhos
e fazem juras de fidelidade

aos pares e cheios de vida
trocam olhares e sentidos
com borboletas na barriga
dizem ter joelhos tremidos

os toques e beijos emotivos
sempre com olhares cruzados
amam com fulgor e ficam cativos
assim são todos os jovens namorados

fazem promessas de amores
com sonhos de cor de rosa
em paletas de multiplas cores
que singeleza mais airosa

que eterno fosse assim
esse amor que dedicaram
e que se lembrem no fim
que só vale a pena o que amaram.

Miro Couto
26-01-2019

20 janeiro, 2019

Sem verbo

Sem verbo

Há quem fale de Amor,
Há que dele se alimente
Há por aí muita gente
quem não lhe dá algum Valor


Não quero amar, possuindo
não quero amar julgando
quero amar libertando
e fazer da vida um sonho lindo


Quero ver nos olhos dos que amo
felicidade, em alegria contagiante
e que nesse mesmo instante
a seu lado, saibam ser ramo
dessa àrvore bela e radiante
que dela fizerem parte, ser gomo.


Quero assistir ao sol raiar bem alto
e sentir que sem sobressalto
vejo felizes os que bem quero
só isso calará meu desespero


Eu quero amar incondicionalmente
não nesta vida, tão curta, tão efémera
quero a eternidade nas mãos do amor
que teimará a encontrar num imenso calor.


Miro Couto
20-01-2019


07 janeiro, 2019

Desamor

DESAMOR

Porque choras distante
para dentro, num sufoco
porque bates com um soco
no pensamento constante

Será sempre dolorido amar
quando a sociedade critica
sem amor, sem avaliar
o sentimento de amor que fica

Mas que sabem eles de amor?
quantos é que o perceberam
se nasceram e até morreram
conhecendo apenas dor

quantos podem ser felizes
por serem eles, sem barreiras
serem plenos, e cheios de cicatrizes
sabem amar as companheiras

Não se vergam à sociedade
Fútil, cruel, animalizada
que para amar tens de ter idade
senão passas a canalhada.

Que raio de sociedade é esta
quem mutila o amor que persegue
que tudo critica e impede
que faz de quem ama uma besta

Podes ceder, e aceitar o que dizem
calando o sentimento mais forte
ou podes defender até à tua morte
o amor de quem te quer bem.

A escolha é sempre tua
nesta vida tão fugaz
e que cada dia que ficou atrás
perdeu-se, porque o tempo não recua.

Ama hoje, ama querida,
ama-te a ti em primeiro
ama o que desejas da vida
ama-te sempre por inteiro.

Miro Couto
07-01-2019



04 janeiro, 2019

Um copo de tinto

Um copo de tinto

Ai como eu gostaria de partilhar este copo de tinto que acabei de beber.
De poder olvidar esta sociedade podre de miséria e de conceitos
como era bom poder manter a imagem de paz, e saber
e ocultar a triste realidade de que não somos perfeitos

Como seria bom, que apenas um copo de vinho tragado
nos traria a felicidade de que não queremos abandonar
mas esse efémero tempo em que te tornas ousado
é curto, é cruel, e força a necessidade de te embriagar

Ai como são esses momentos lúdicos de amor impensáveis
nos intervalos da guerra que travamos por causa dos egoístas
em vez de permanentemente estarmos sóbrios e amáveis
sem ser pelo álcool essas tão simples e banais conquistas

Quem me dera que a euforia que os néctares promovem
de amor e ousadia contagiante, doce, amável fraterna
fossem laivos de essência que todos os dias renovem
e permitissem que todos nós tivéssemos a felicidade eterna.

Sem tabus, receios infundados ou conotações perversas
desta sociedade estúpida, cruel, maquiavélica e funesta
e poderíamos dar as mãos universalmente em festa
sem que os espinhos nos impedissem de cheirar as rosas.

Bebi por ti, por mim e por eles, que não aprenderam a amar
bebi porque me sabe a anastésico deste mundo rudimentar
e que bem me soube esquecer toda a maldade, toda a guerra
e sonhar por momentos que podemos ser felizes na Terra.

Miro Couto
04-01-2019

29 dezembro, 2018

Amizade

Amizade

Se por palavras te dei importância
não foi por fragilidade ou carência
foi por pensar que serias meu par
e poder o que me agonia desabafar


Se achaste que eras superior ou maior
enganaste-te nas palavras que usei
na forma, do conteúdo, do pendor
no amor com que sempre me doei


Confundes amizade com fragilidade
e não entendes o amor do desabafo
sentes que és melhor, e mais tarde
ganhas a humildade no meu regaço


Não te quero acima nem no chão
nem à frente ou por detrás de mim
quero-te sempre no principio e no fim
ao meu lado, junto do coração


E se me aceitas igual e fraterno
és meu amigo, irmão e companheiro
comigo seguirás no futuro eterno
e isso ninguém compra com dinheiro


A minha simples amizade doei
Mesmo àqueles que perdidos
muitas vezes sofrendo paguei
por refutar os meus sentidos


Dependendo do que pretendes
doarei a minha amizade sincera
se assim como digo não entendes
não fiques por mim à espera.


Feliz 2019

29-12-2018
Miro Couto


06 dezembro, 2018

O MEDO

É o medo que te faz ameaçar
é o medo que te faz fugir
é o medo que te faz calar
é o medo que te faz consentir

É o medo que te faz mentir
é o medo que te faz rugir
é o medo que te faz maltratar
é o medo que tens de não conseguir

O medo faz de ti um covarde
O medo faz de ti canalha
o medo faz de ti um alarde
o medo fará de ti mortalha

O medo de não ter
o medo de não ser
O medo de não fazer
O medo de não poder

Mandar o medo ter medo
porque eu medo não tenho
é esse o meu segredo
da postura que mantenho

e sem medo de morrer
o medo de mim tem medo
ponho o medo a correr
quando lhe aponto meu dedo

e sem medo e sem receio
do que possa acontecer
mostro-lhe o dedo do meio
e faço o medo desaparecer.

A vida é uma escola preciosa
quem sem medo enfrentei
ao medo eu dei uma rosa
e a merda o mandei.

Miro Couto
10-10-2018

Inverno Frio

Inverno Frio

Qual vento frio que me gela a alma inerte
pelas palavras desprovidas de calor
gretam as veias que maculadas de não ter-te
em sentimentos que gritam silvos em redor


podem palavras serem facas afiadas
com que seus gumes separam sem pudor
os corpos etéreos das almas perfumadas
que há muito se perderam por amor


chovem a lágrima há muito por nós deixada
que do vazio escorreita azedume
numa paixão que foi tão dada e delicada
com marcas de ferro quente feito lume


o que perdemos pela estrada que escolhemos
tão sofrida sem prazer, sem alegria
em que destino talvez nos encontremos
para recordar toda a emoção que de nós saía


e podem versos em poemas deslumbrantes
cantar as almas perdidas no seu encanto
que apesar do amor que foi de instantes
reter eternos sentimentos que eu canto.


Miro Couto
06-12-2018



28 novembro, 2018

gota d'àgua




Gota De Água


Fui à fonte beber água

Achei um raminho verde

Quem o perdeu tinha amores

Quem o perdeu tinha amores

Quem o achou tinha sede



Dá-me uma gotinha d’água

dessa que eu oiço correr,

entre pedras e pedrinhas

entre pedras e pedrinhas

alguma gota há-de haver



Alguma gota há-de haver

Quero molhar a garganta

Quero cantar como a rola

Quero cantar como a rola

Como a rola ninguém canta



Debaixo da oliveira

Não se pode namorar

Porque a folha miudinha

Porque a folha miudinha

Não deixa passar o ar [rires du public]



Dá-me uma gotinha d’água

dessa que eu oiço correr,

entre pedras e pedrinhas

entre pedras e pedrinhas

alguma gota há-de haver



Alguma gota há-de haver

Quero molhar a garganta

Quero cantar como a rola

Quero cantar como a rola

Como a rola ninguém canta



27 novembro, 2018

Um dia

Não queria ter-te em mim,
porque em mim eu já te tenho
tenho a força, o segredo do fim
de saber onde vou e de onde venho

Como um jogo de xadrês
onde as peças ficam juntas
perdemos uma e outra vez
e perderemos mais quantas?

até que um dia, em vez de jogo
seremos em plena união
um só vontade de fogo
os dois presos p'lo coraçao

pode a vida querer forçar
desviar da rota que seguimos
qualquer a que iremos traçar
leva aos mesmos destinos

Um dia, em paz diremos
as histórias que passamos
outras vidas que faremos
onde outrora nos amamos.

Miro Couto

27-11-2018

04 novembro, 2018

Site de compras on line

Site de compras on line sério.
Já o testei de varias maneiras e em caso de nao entrega devolvem o dinheiro integral.
Vale a pena.


https://www.vova.com/pt/login.php?ivtk=qbAGF&ivcr=5



-

11 outubro, 2018

Virginia Moura

Virginia Moura

Com a força da razão
Em defesa dos caídos
A luta não foi em vão
Pois eles foram vencidos


Virgínia arquitectava
Junto com o seu Lobão
Uma guerra que lavrava
Do ódio contra a razão 


Nasceste onde nasceu
A alma Pátria portuguesa
Foste uma luz que no breu
Provou a sua grandeza


De Moura tens apelido
A rebeldia, a tempestade
Da areia que movia
Toda essa tua vontade


Resistente antifascista
Cheia de amor e paixão
Deixaste o teu sorriso
A esta grande nação


Partiste, missão cumprida
Em paz com o teu legado
Doaste demais tua vida
Eu deixo-te este meu fado


Miro Couto
11-10-2018

10 outubro, 2018

Citação

A poesia é a exaltação dos sentidos assim como a música é o leito que a embala.
Miro Couto

Apetece-me

Apetece-me

Apetece-me desistir de puxar carroças
ocas, vazias, sem humanidade sem amor
apetece-me calar todas essas bocas
que escrevem carregadas de rancor

apetece-me que as urtigas apanhem
e num momento por elas sejam despertas
que os picos singelos as amanhem
e preencha essas mentes desertas

apetece-me descansar desta luta
onde a banalidade atroz impera
onde reina todo o filho da puta
esmagando quem desespera

apetece-me mas não posso desistir
sob pena de um dia cá voltar
e por desgosto voltar a encontrar
parados no tempo a insistir

no erro, na maldade, no pavor
na falta de moral e de amor
na desumanidade, da imensa dor
que permite a maldade do actor

Apetece-me que as ondas venham já
que os terramotos os tirem de cá
que tsunamis libertem o mundo
e limpem de vez, pois está imundo.

Miro Couto
06-10-2018

20 setembro, 2018

Poder eu podia

Poder eu podia 

Podia cá estar, podia dizer
onde é que a vida nos vai meter
podia calar, podia rezar
e podia não ter mais que fazer


podia dançar, podia comer
podia amar e podia prazer
podia pular, podia beber
muita bebida para esquecer


poder eu podia, mas isso não queria
que a vida sem isso, tem imensa magia
não poder saber, nem sequer imaginar
o que ela nos tem para oferecer e p'ra dar


saltito aqui, rolando dali
rebolo sem ter rolo e sem ir a Bali
com passo de mestre, e de dança que ri
arranco o sorriso que queria de ti


de passo gingão e olhar bonitão
eu pisco e re pisco o olho pimpão
de braço a cintura, olhar de brandura
afago o teu corpo cheio de candura


poder eu podia, mas isso não queria
que a vida sem isso, tem imensa magia
não poder saber, nem sequer imaginar
o que ela nos tem para oferecer e p'ra dar


Miro Couto
20-09-2018

15 agosto, 2018

Esgotado

Esgotado

Primeiro soltas um suspiro e ninguém o ouve
depois, afagas os cabelos com as duas mãos e ninguem percebe
vais ruminando a amargura e o cansaço que alguém roube
e sempre pronto para te doares e toda a gente recebe


gastas a energia em simpatia, força e firmeza pétrea
alentas tudo o que se cruza e consegues ve-los
doas o teu coração e como numa chama éterea
afagas as tuas mãos numas bolas de pelos


resistes, hoje, amanhã, depois e muito tempo
ninguém vé, porque o suspiro é teu lamento
e isso não merece atenção, carinho ou cuidado
porque quem suspira, ainda não está desesperado


Resistes mais e mais dias sem esmorecer, sem cair
resistes até que alguém perceba e possa entender
o teu cansaço, a tua amargura, o teu sofrer
e só percebem, quando esgotado decides fugir


aí, aí sim, és um covarde, alguém que é queixoso
és um traste, es perdulário e pecaminoso
és fraco, convencido, canalha, vilão
és tudo o que eles quiserem, ou Não.


e quando decides optar por te manter em pé e dizes basta
todas as estruturas onde supostamente te apoias vão ruir
mas entre ficar doente, irritado, respondão à tua casta
foge, porque a única saída para sobreviveres é fugir
sem te afastares e sem deixares de dar o apoio que te resta
mas salvando a tua sanidade mental para o porvir


Antes doido, que louco. 

Beijos a quem é de beijos e abraços a quem for de abraços

Miro Couto
15-08-2018

03 agosto, 2018

Serás tu

Serás Tu

Vou andando por aí a procurar
a raiz da paixão que me refresca
a fragrância mais cheirosa que encontrar
é o cheiro da tua pele que me resta


no caminho que percorro a saltitar
e dos jardins floridos já colhi
mas nenhuma das flores tem o ar
que sempre respirei em ti


deambulo pensativo e errante
emerso num clamor de nostalgia
espreito essa frincha atentamente
mas nunca vestígios de ti via


quando à noite em sonhos me visitavas
com ofertas de amor em poesia
rasgava os sonhos que em mim sonhavas
e ficava a espera de viver esse dia


hoje já não sei em que acredito
se nos sonhos que outrora eu sonhei
se apenas alimentei um enorme mito
e só fui eu que te amei


e do amor que verti com vontade
a ferro quente marcado na minha alma
no coração guardado pela metade
pois é metade que me acalma


e nesta ou noutra vida quem sabe
voltaremos a partilhar esse aroma
ou quem sabe ainda saio do coma
e em breve outra maior janela se abre


Miro Couto
03-08-2018

21 julho, 2018

E foi amor

E foi amor

Foi encontro sem prever
que em mim fez nascer
Um amor forte e profundo
efémero momento lindo
que em meses se deu findo
mas do mais belo do mundo


Chegaste sem dizer nada
e de cabeça encostada
no meu ombro e na canção
fizeste o seu ritmo feliz
o compasso de firme raiz
que rasgou meu coração

Longe vão esses tempos
qual oração que fazias
que por mim também pedias
no esforço que passava
quando por nós eu lutava
e só eu sei que sofrias

hoje ainda reconheço
que quando os donos do berço
nos impõe as aparências
fica o amor amarrado
o sentimento destroçado
servil ás cruéis exigências.

O amor não tem barreiras
não tem idade ou fronteiras
não tem credo é colorido
tem o coração doado
tem a alma do seu lado
mesmo quando é partido.

Miro Couto
21-07-2018

08 julho, 2018

Quantas vezes vida

Quantas vezes vida

Quantas vezes apeteceu
quantas vezes que doeu
quantas vezes se ergueu
quantas vezes se perdeu

Quantas vezes se chorou
tantas quantas se amargou
quantas vezes se amou
quantas vezes se largou

quantas vezes se caiu
quantas vezes se fugiu
quantas vezes se pediu
quantas vezes te mentiu

quantas vezes são precisas
para atingir a paz e felicidade
quantas lições de vida necessitas
de levar para a eternidade?

quantas dores de parir
de te fazer renascer
te levaram a ruir
te levaram a entender

quantas escolas fizemos
ao longo das nossas vidas
somos sempre o que sabemos
nas metas por nós cumpridas.

Miro Couto
08/07/2018

06 julho, 2018

O errado devo ser eu

O errado devo ser eu.

O errado devo ser eu
torturam-se em arena animais
e a aprovação que se deu
faz-me sentir que estou a mais


A miséria instala-se com a indignidade
a dor nas famílias cheias de precariedade
o inverno que passaram frio que a EDP nos deu
vejo todos calados, e quem berra sou eu


Vejo a corrupção activa que nos destrói
vejo os hospitais num caos que nos dói
vejo banqueiros a roubarem os bancos
vejo assaltos a armas como em tancos


da justiça não se pode reclamar, dá prisão
que os juízes são quem manda na nação
e não nos permitem defender a nossa razão
prendem as pessoas por delito de opinião


dos governos sucessivos que espoliam o orçamento
vejo poucos a protestar contra, em descontentamento
e a maioria cala, consente sem reclamar, está no céu
e de certezinha absoluta que o errado só posso ser eu


e dizem as vozes supostamente contentes
que desligam de quem sempre reclama
que somos uns coitados permanentes
e quem protesta, quem berra, não ama


eu devo por fim dizer-vos que estou errado
quando defendo com clamor desesperado
uma vida de dignidade para todos nós
com verdade, justiça, saúde e pão
com humanidade que a constituição prometeu
mas já não tenho dúvidas, que quem está errado, sou eu


Miro Couto (a curtir o mau feitio com que nasceu)
06/07/2018

28 junho, 2018

És o meu fado

És o meu fado

Peguei no teu sorriso
meti no bolso e levei
e quando dele preciso
pego nesse teu sorriso
do bolso onde guardei
e quando dele preciso
pego nesse teu sorriso
do bolso onde guardei

há dias em que me embalo
cantando a nossa canção
mas a dor do intervalo
pede para cantar e calo
e rezo-te uma oração
mas a dor do intervalo
pede para cantar e calo
e rezo-te uma oração

Se te vejo a caminhar
nesse teu passo ligeiro
dou por mim a perguntar
como não se pode amar
o teu sorriso primeiro
dou por mim a perguntar
como não se pode amar
o teu sorriso primeiro

mal chega a noite suspiro
por te abraçar por inteiro
dos beijos que em ti respiro
e dos sorrisos que te tiro
são laços de corpo inteiro
dos beijos que em ti respiro
e dos sorrisos que te tiro
são laços de corpo inteiro

quando chega a madrugada
deitado ao teu lado e feliz
fica em mim sempre guardada
a tua alma em mim colada
nessa tua cara feliz
fica em mim sempre guardada
a tua alma em mim colada
nessa tua cara feliz

Se um dia perderes o sorriso
leva a chave do meu peito
e a lembrança que preciso
é saber que concretizo
e o que te fiz, fiz bem feito.
e a lembrança que preciso
é saber que concretizo
e o que te fiz, fiz bem feito.

Um dia talvez grave isto com guitarras e violas.
Miro Couto
28-06-2018

Luz Casal - Piensa En Mi

22 junho, 2018

Se eu morresse hoje

Se eu morresse hoje

Se eu morresse hoje, diria:
que tudo fiz para encontrar este mundo melhor quando voltar
Que ajudei aqueles que podia, mesmo quando a alma estava a rebentar
Nada me pesa na caminhada feita durantes estas décadas que vi passar
Os outros que perderam os seus sonhos, como eu, não deixei de acalentar
Ao desesperado grito dos desamados e combalidos sempre quis eu levantar
Aos que á minha frente iriam ser humilhados, eu não permiti humilhar
Aos viciados perdidos, tentei sempre encaminhar
Aos dementes enraivecidos, confrontei e tentei acalmar
Aos que se faziam vencedores dos  fracos, mostrei-lhes outro patamar
Aos ricos empedernidos, com egos indefenidos, mostrei-lhes o meu olhar
Aos pobres mais esquecidos eu gritei e fiz lembrar
dos muitos que são convencidos, consegui fazer chorar
Aos que choravam de dor, eu consegui alegrar
e a mim, enumeras vezes, do chão me fiz levantar
com as ajudas invisíveis, que me estão a ralhar
quando digo que já chega, do remédio que estou a tomar
que me deem outras tarefas, outras batalhas onde possa sustentar
a alegria contida, o humor amarrotado, e felicidade se amar.

Se eu morresse hoje, nada teria a lamentar.

Miro Couto

22-06-2018

21 junho, 2018

Uma história doce

Uma história doce

Do sorriso lindo dos teus olhos guardo imagem
quando no meu ombro a alma descansavas
em paz e sem guardas comigo estavas
pronta para comigo fazer longa viagem

A felicidade nas trocas de afectos sentidos
raiava a luz imensa que nem o sol consegue
eliminava a razão dos ânimos vencidos
gerava sonhos que todo o homem persegue

Eras flor, com asas livres e frescos aromas
eras rainha da razão que me vertia
era tábua de salvação da noite fria
que me roubava a dignidade nas suas brumas

foi efémero esse deleite abençoado
que me conquistou pela doçura de amor
que preocupado com o meu estado
auspiciava união de muito valor

Enquanto durou foi eterno foi, além
foi doce, paz, alento que desconhecia
pois nunca partilhei com mais ninguém
sentimentos que saíram de magia.

Hoje lembro os lábios doces de meiguice
as ternuras e carinhos abençoados
nos momentos curtos em que nada se disse
porque muito falávamos bem calados.

Um dia, ou noutra vida saberei
que verdade se impôs e a razão
que esfumou todo o amor que dei
mas quem ama, não necessita de perdão

Miro Couto
21-06-2018

30 maio, 2018

Nesse dia

Nesse dia

não sei o que a vida te diz a ti
nem sei o que mais posso esperar
só sei que tudo aquilo que vivi
doeu mas ensinou a despertar

não sei que mais alento posso dar
nem sei que mais fazer em oração
só sei que assim parado não irei ficar
porque a esperança me há-de dar razão

queria que ouvisses o meu grito
que sentisses o lamento em minha voz
da força de amar fiquei perito
mesmo quando amar é ficar a sós

Queria ter-te aqui sempre a meu lado
neste caminho sinuoso e muito agreste
queria mas não posso duvidar
das razões do caminho que escolheste

agora só a fé me indica o dia
para o alvorecer da minha alma
e apesar de a sentir muito fria
há-de chegar o calor que a acalma

nesse dia mágico brindaremos
em paz, amor e serenidade
dos abraços que um dia demos
e que deram imensos anos de saudade.

Miro Couto

16 maio, 2018

A Minha Quinta Sinfonia Paco Bandeira (com letra) with lyrics avec parol...





5ª SINFONIA



Paco Bandeira




Quando me lembro quem eras

Desse corpo que foi nosso

Desse amor que não deu certo

Era o tempo das quimeras

Das palavras em silêncio

Quando o mais longe era perto

Tinhas nos olhos a esperança

Os desejos de aventura

As ilusões que eram minhas

Nos momentos de ternura

Tinhas os seios a graça

Das primaveras que tinhas

E foste a música que em mim ficou

Quando a distância nos fez separar

Ando louco para te encontrar



Foste a quinta sinfonia

Fuga da nossa verdade

Sonata tocada em mim

Foste o meu sol afinado

Neste samba de saudade

Vinicius, Nara e Jobim

Foste verso de balada

Foste pintura abstrata

Meu bolero de Ravel

Foste música sonhada

Numa canção de Sinatra

Com um poema de Brel

E foste a música que em mim ficou

Quando a distância nos fez separar

Ando louco para te encontrar



Foste estrela de cinema

Minha dama de Xangai

Hiroxima meu amor

A minha grande ilusão

Eras fúria de viver

Quanto mais quente melhor

Grande amor da minha vida

Senso, silêncio, paixão

Buñuel, Fellini, Troffaut

Foste luzes da ribalta

Música no coração

E tudo o vento levou

E és ainda o que me faz sentir

Dentro da vida p'ra te cantar

Ando louco para te encontrar

Para te encontrar....

13 maio, 2018

Sonhem

Sonhem
que os sonhos e fantasias aconteçam
na vida de quem tem muita alegria
e que os santos todos a quem peçam
se juntem em perfeita sintonia

que pulem os cercados e ribeiros
de silvados selvagens e agrestes
que apreciem plátanos e pinheiros
e a beleza das folhas que os vestem

que a luz e o calor sempre fraterno
inunde a nossa alma fustigada
pois mesmo o tempo sendo eterno
a vida sem alegria e amor não vale nada

que chamas em pavios incandescentes
transmitam sentir mais humanidade
e o ar quente do amor que palpita a liberdade
seja a felicidade de que estamos carentes

Miro Couto

Caminhando

Caminhando

Caminhando
Vem, dá-me a tua mão
faz comigo a caminhada
mesmo que laves a calçada
com lágrimas do coração


vem, canta baixinho
faz o teu caminho
comigo de mão dada
e não desistas de nada

salta em colcheias de vibrato
embala-te no sal do desacato
do mar das emoções carnais
e brinda a vida como os pardais

Vê o explendor que luzia
quando nasce a luz do dia
e amanhece sem pedir
recomeça sem lamento
reforça o teu sentimento
de que tudo irás conseguir

Mas se quiseres chorar, chora
mas chora antes de vires embora
para abraçar a felicidade
mas vem depressa, corre
da passos firmes, e sonha
que os sonhos não tem idade

nada temas no caminho
nunca te deixo sozinho
na solução que resolva
a vida pode romper-te
pode esmagar e mover-te
ao passares por esta prova

mas no fim, sim no fim
verás o que conseguiste
das lutas que não fugiste
e que venceste sem fim

e poderás com alegria
levar com harmonia
o amor que conquistaste
esse que já encontraste.

Miro Couto
(esta foi para mim, e sim os dedos foram os meus)

21 abril, 2018

Ser livre

Ser Livre

Ser livre, é não estar preso a conceitos, a filosofias, a opiniões,
é poder ter conversas inteligentes falando com os nossos botões.
Somos prisioneiros escravos do "parecer bem e aceitar" da sociedade,
quando contra ela remamos, acaba-se a liberdade.

Miro Couto

A Rita

Porque é o teu aniversário
Porque mereces
Parabéns Ana Coelho

A Rita

A Rita, tem um coração que palpita
A Rita não é mulher esquisita
é jovial rebelde guerreira
e amiga p'rá vida inteira

Transforma a dor em sorriso
deixando sempre um aviso
aqueles que a tentam marcar
esquece mas não deixa de amar

Por si só ela é toda festa
ninguém com ela se presta
a ficar triste e enfadonha
e toda alegria sem vergonha

é musica, canto, rebeldia
coragem, força, alegria
viagem, cantiga, poesia
fulgor, jardim e magia

Sempre em guarda na canção
alegra o meu e teu coração
com a verdadeira amizade
toda ela é palavra liberdade.

21-04-2018
Miro Couto

18 abril, 2018

O que é nosso

O que é nosso
Dizem que o que é nosso
a nós há-de de chegar
venha depressa ou venha devagar
mas que virá sempre com muito amor
mas venha já que estou que não posso

embora saiba que o universo
não cria coisas como eu lhe peço
demora tempo a semente a germinar
mas o que vier há-de ser para ficar

É no momento e em má situação
que podes ver quem te quer dar a mão
sempre ao teu lado com o coração
seja em mau dia ou seja no bom

é essa gente que comigo quero ver
e serão essas almas que me irão ter
que tuas lágrimas limpam com a mão
e se estás preso eu estou na prisão

Se estas em festa eu estou em paz
se estas triste há tristeza em mim
se contigo trazes outro amigo atrás
a alegria será uma festa sem fim

e de mãos dadas, e de peito aberto
juntos teremos tudo a dar certo
será o amor que falará por nós
e quem tem amor nunca fica a sós.

Não quero ver mais lágrimas em redor
quero sentir amor a todo o vapor
sejamos todos unidos como as mãos
para por fim vivermos como irmãos.

Miro Couto

16 abril, 2018

Já basta

Já basta.

E quando te apetece dar asas à tua revolta
À tua indignação aos que governam este pais
E aos outros que no mundo não fazem falta
Lês uma mensagem que te faz assentar a raíz

Se os trafulhas desumanos que governam
Entendessem ou soubessem a dor que criam
Se não virassem para o lado quando assobiam
Teríamos um batalhão do povo que calavam

Mas Deus na sua infinita Justiça e Amor
Há-de com sabedoria calar a nossa dor
E mostrar a quem a cria com muita firmeza
Que não se pode semear miséria e tristeza.

Miro Couto
"E quando a gente menos espera a vida nos abraça outra vez e transforma todas as nossas incertezas em caminhos floridos de realizações. Confie!"
Marcely Pieroni Gastaldi

Tiranos de todo o mundo mudai

Ai ditos revolucionários de outras eras que lutam quimeras que eu nunca vivi
lutam a todo pano neste oceano em que nasci
fazem em coro promessas mas são tão dispersas que ninguém acredita
levantam punhos cerrados mas bastam uns trocados e e já ninguém grita

tanta amargura mostra aquele que posta neste e noutro jornal
desafia tiranos com escrita de enganos e se finge imortal
faz reuniões comezinhas a ver se alinhas por eles querer
Mas quando cai a desgraça, metem a mordaça e não querem saber.

Ah que saudades eu tenho da malta que comigo um dia seguia
eram desafoitados, eram companheiros e ninguém dormia
hoje não passam de sonhos, que acordados não queremos sonhar
ficaram todos cansados e acomodados não querem berrar

São assim os revolucionários efémeros com sonhos trémulos e sem confiança
que tanto prometeram e tanto disseram com toda a cagança
agora é vê-los enfeitados, com cores bem garridas mas sem investidas contra o poder
comem e bebem á Lorde, e o povo, esse que sofre, todos os mandam foder.

Queria tanto acreditar que gente com novo ar cheio de cidadania
pegava em ordens de voz, e com ar feroz vencia a tirania
mas vejo-os em mansos cordeiros, metidos em vespeiros de ar agoirento
e fico a pensar que em vez de lutar para tudo mudar, acho que rebento

gentes sem voz, daqueles que só são abandonados
esses que vergaram aços com a carne em pedaços libertaram algemas
deram a estes farsolas um poder enorme que nos consome por todos os lados
e sem razão, metem na prisão quem não cala e come, com duras penas

Um dia senhores, um dia, a voz de novo se levantará e vibrará de loucura e depois direis,
de forma pobre que foi culpa do PREC, a vossa dissimulada ditadura
e queixareis dos rebeldes, calados, que cruxificais todos os dias
de acções violentas, de mortes sangrentas, das vossas actuais covardias.

CANALHAS de toda a espécie, acordai, o vosso tempo está a chegar
e ninguém pode calar, a dor que aperta o coração humano
do que não pode com amor e carinhos a dignidade providenciar,
e depois em defesa estúpida e mesquinha direis que foi engano.

Miro Couto

Não posso morrer já

Não posso morrer já

Não posso desistir porque preciso de mim
não hoje, que estou farto e cheio de cansaço
mas no futuro em que voltar, em que aqui nasço
não encontrar este mundo imundo assim

Não posso desistir agora, de semear o futuro
de querer mudar este mundo tão duro
e torna-lo lugar melhor para habitar
onde em liberdade se possa verdadeiramente amar

Não posso ceder neste guerra, infernal e desumana
que tira tudo, a quem tem dignidade e não engana
mas que tudo dá a quem mutila a alma com dor
e nos tira o pão da boca mesmo ganho com suor.

Não posso ceder à tentação que me indigna
que me leva a ter uma ideia demasiado maligna
de vencer de maneira violenta esse poder
que humilha, maltrata, escraviza e esmaga o amor.

Não posso, porque ainda faço falta para a mudança
para ajudar na bonança que há-de vir a seguir
depois da tribulação que emerge, e ninguém ira rir
onde morrerá e cairá toda a imberbe cagança

Por vontade interior, da alma amarrotada
ja tinha dado dois murros, nessa canalhada
e deixar o resto da vida presa em cadeia
mas, em desespero me ilumina uma candeia
das almas que me protegem sem querer nada
e que a minha chama que se apaga, incendeia.

Nao posso desistir já, senhores do poder, CANALHAS
mas contem em por meu corpo em mortalhas
se tudo isto não mudar, como penso e sonho
se desumano continuar, na garganta as mãos vos ponho.

Miro Couto.

A canalhada que nos tem governado, e dedicado especialmente ao ministro da segurança social

Sou quem sabes maria alice.

04 abril, 2018

Sou alma



Não me tentem dobrar porque sou mola,
não me tentem partir que sou água,
não me tentem esmagar que sou vento,
não me tentem apagar porque tenho sol dentro de mim,
não me tentem enganar porque eu sei a verdade,
nunca me tentem trair porque é a vós que traís,
e quando receberdes de volta
tende a coragem de manter a cabeça levantada
enfrentando as dores e agruras por vós semeada.

Miro Couto

26 março, 2018

Não me bajules

Não me bajules
Não me faças o favor hipócrita de me dizer que estive bem
não me digas nunca um elogio se não foi do teu prazer
eu só conseguirei melhorar neste mundo de ninguém
se me criticares com sabedoria, ensinando a bem fazer

Não me veneres os passos que dou se forem falsos
os meus ou de alguém que aches mais importante
se não queres ser vitima da opinião que mente
e que te agride amanhã, e te controlará os passos


Age hoje com lisura e armonia sincera
A verdade é algo que toda a gente espera
mas poucos os que coragem tem para usar
só conseguirás a paz, que conseguires semear


Não me digas que fui bem onde falhei
diz-me antes que naquilo que errei
poderia fazer melhor se me ensinasses
combatendo a ignorância com saber
Humildemente me fará aprender
todo e qualquer saber que estudasses


Sim, repreende-me se me enganei
Diz-me em privado ou em segredo
da-me o direito de não estar de acordo
concede essa beleza e faz dela lei


e de mãos dadas podemos vencer
a nossa ignorância com saber
mas um saber muito partilhado
que cada um de nós só sabe um bocado.


Miro Couto

24 março, 2018

Não sei quanto tempo me resta, mas sei que os meus sonhos e a vontade de aprender me fazem sentir intemporal.

23 março, 2018

Assim chegou o amor



O amor chega em pés de veludo
é ciente, sereno, meigo e calmo
e cresce de um jeito absurdo
onde a partilha acontece palmo a palmo

O amor não é arrebatador por essência
No primeiro contacto pela aparência
chega e permanece de forma subtil
e transcende os jogos feitos ardil

O amor não inquieta, como paixão
nem se apropria da nossa razão
o amor não é só sexo, isso é tesão
é calor intenso é compaixão

É virtude, é cor. é alegria. é serenidade
é saber que quem amamos nos quer bem
é estar ao lado, e ver a outra metade
que é feliz e se sente muito bem

é cedência, elevação, cordialidade
é ter sempre um acto de bondade
nas alturas mais duras e penosas
quando o outro cai desamparado
sermos o chão que acolhe o amado
e oferecer-lhe um ramo de rosas

Amar é querer o melhor a quem se ama
não é esperar proveito ou fama
destaque de algum programa fatal
ou imagem em primeira pagina de Jornal

É partilha, dádiva, conforto
serenidade, ternura, atenção
é saber que há um bom porto
onde cabe o nosso coração

Miro Couto

21 março, 2018

Tempo


Não sei quanto tempo me resta, mas sei que os meus sonhos e a vontade de aprender me fazem sentir intemporal.

Miro Couto

Vida...



21 de Março dia mundial da síndrome de Down

Dia também da Poesia.

Viver

Viver é aprender dia a dia
seja com dor ou alegria
com balada ou sinfonia
sem quimera ou fantasia

é saber que somos todos
aprendizes semelhantes
sejam doentes, infantes
deformados ou toldados

crentes, ateus ou sábios
mestres, génios ou inchados
vigaristas, perdulários
carentes e mal amados

ladrões, vigaristas, falsários
religiosos, freiras vigários
políticos trafulhas, salafrários
e outros que roubam operários

Todos andamos a aprender
todos lançamos semente
que colhemos obrigatoriamente
No dia que Deus quiser

E o meu irmão "deficiente"
que aceitou ser diferente
na maneira de aprender
Trás com ele pendente
sabedoria eminente
que um dia lá na frente
nos dará como presente
a quem souber entender.

Porém nesta caminhada
Somos todos mais que nada
aprendizes até morrer
a amar todo o outro ser.

Miro Couto


20 março, 2018

Amor...

´

Amor...


O Amor não é paixão, desejo ou sedução
prazer, troféu, vangloriação
promessa cativa ou oração
prisão conceitual, dominação

é sentimento mais puro
mais calado, dedicação
e sentir sem negação
ainda que nos seja duro

é dádiva constante com prazer
orgulho do outro, compaixão
é calar ate o que nos faz doer
quando nos magoam sem razão

Amor só tem uma via
daquele que o semeia
e o retorno desse fruto
será sempre maré cheia

Amor é como calor
que irradia de quem dá
mesmo quando em seu redor
coabita gente má

Por isso amor é eterno
e nunca é egoísta
amor é sempre pleno
amor é ser altruísta

Miro

13 março, 2018

Que seja uma valsa




Que seja uma valsa

A  musica da vida toca
num ritmo acelerado
é fácil perder o tom
é fácil ficar atordoado
num rodopiar embalado
que as vezes não é bom
deixa o corpo emaranhado
sem se saber a razão

podia a vida ser fácil
se toda a gente quisesse
dançar a dança da vida
com quem nos apetece
sempre a querer melhor
em tudo o que nos enaltece
tornar radiosa como flor
sem eu continuar em prece

Fizessem assim os amores
fizessem assim os amigos
assim fizessem os senhores
até mesmo sem abrigos
e a vida que é de temores
seria só sempre sorrisos
na cara dos professores
ou nos alunos queridos

Vem dançar comigo a valsa
Vem rodopiar no meu céu
trás um pouquito de salsa
que eu levo o meu pitéu
corre com toda a gente falsa
trás o meu amigo e o teu
e todos dançamos a valsa
como os braços do orfeu

Dança comigo a sorrir
e com paixão pela vida
deixa  sempre fluir
o amor de uma querida
e se o querido assistir
e  se cuidar  da tua ferida
da-lhe em dobro o que pedir
da-lhe tudo desprendida.

Miro couto

11 março, 2018

Cansaço II

Ha muitas alturas em que me apetece desistir. Desistir de lutar, de alertar, de ensinar repetidamente valores e actitudes. Ha muitas alturas em que só me apetece dizer BASTA, basta de trafulhas, de gente perversa e má, de gente sem escrupulos, de gente sem humanidade. Ha alturas em que fico tão cansado, mas tão cansado da estupidez humana, da falta de amor ao proximo, da falta de humanidade das pessoas, que do alto do seu egoismo, do seu ego mal tratado, do seu nariz empinado, que nao olham para quem deitado no chão sofre. Ás vezes, de tao farto de ver este mundo barbaro e cruel, peço a Deus que me leve, para que eu possa reaver as forças para continuar em frente. Nesses dias mais escuros de cansaço, lembro-me das escolas, e dos professores, que dia apos dia, semana apos semana, mes apos mes e ano apos ano, repetem incansavelmente as liçoes aos alunos, ate que eles aprendam, e penso o que seria da humanidade se eles se cansassem como eu de poder transmitir aquilo que aprenderam aos outros, a desgraça que seria se isso acontecesse.

Sabendo que tenho imensas coisas para criar e para fazer, mas pela impossibilidade financeira nao as posso realizar me atira para o desespero e para a angustia de nada poder fazer, para ajudar este pobre planeta a ser melhor, a ser mais humilde e mais humano, e a tratar bem daqueles que vieram a ele para evoluir.

Se pessoas como eu, desistissemos pelo cansaço, se pessoas que sonham, desaparecessem por cansaço, se pessoas que amam, desaparecessem pelo cansaço, entao o que restaria ao planeta para se guiar? Quando penso que somos tão poucos, aqueles que tem dentro de si a informaçao capaz de ensinar a amar, de ensnar a perdoar, de ensinar a ajudar, entao o retrocesso seria abismal, logo, as minhas perguntas ficam cheias de respostas, pois se eu estou cansado e esgotado, tenho de continuar ate que haja alguem capaz de me dar paz, e de ajudar a fazer o trabalho que nos esta destinado, e que a grande maioria, resiste, endurece, e nao quer ver o óbvio, que é simplesmente encontraem amanha, e viverem amanha, a pele daquilo que semeiam hoje, e acreditem, da muito cansaço, da muita angustia, da muito desespero, mas a saida é essa, seguir em frente, ate que outros soldados estejam prontos para conrtinuar a baltalha, contra o egoismo, contra o desamor, contra e desumanidade, contra a barbarie, por isso, e pelo meu cansaço, peço-vos, abram os olhos, vejam e analisem, porque da mesma maneira que eu tenho pressa de vós para poder estar mais descansado, Deus precisa de nós urgentemente! Obrigado!

Porque lutas contra ti





Porque lutas contra ti

Porque lutas contra ti nas escolhas que fazes
porque resistes em dizer não à felicidade
Para que o mundo apenas veja o que trazes
e nunca o interior cheio de amor e liberdade

Porque resistes quando aceitas esta podre condição
que te faz esmagar o sentimentos e o coração
em vez de quereres amar sem sofrimentos
hoje, amanhã e sempre, em todos os momentos

Porque esmagas em ti a paz e a verdade do que sentes
para que os outros te acham normal e enquadrada
se eles são mais infelizes que tu, nesta vida, nesta estrada
e não servem de exemplo, até para os menos crentes.

Porque te trais quando negas o que a tua pele deseja
o que a tua alma fervorosa e ardentemente almeja
nas lembranças do passado que registas no amor
nas poucas passagens de tempo em que não sentiste dor.

Será que a lição que tens, não te faz entender
que não à riqueza maior que poder entardecer
junto de quem nos da paz, nos dá conforto
que nos cuida como vivos, até que esteja morto

E que lição neste mundo levas pelo que tendes
levas contigo o triunfo de teres vencido essa dor
ou levarás contigo a opinião dos que estão em teu redor
quando a tua vida é apenas a escola que aprendes

A felicidade é possível sim, e não será efemera
quando damos as mãos, de almas doces de mel
erguem-se castelos flutuantes de ternura
e não há ninguém que descole quando colamos a pele.

Sei quem sabes que sabes que eu sei... Maria alice.

Beijos a quem é de beijos e abraços a quem é de abraços e abreijos a quem é de abreijos.

07 março, 2018

A Vida é escola



A vida não é um castigo
a vida é uma lição
porque se fosse castigo
então Deus não seria bom.

E de lição em lição
de vida após vida
há enorme evolução

que sendo sofrida
tem sempre a explicação
mesmo em aberta ferida

e um dia percebemos
o que cá vimos fazer
e no dia que morremos
ficamos a perceber
o quanto nós aprendemos
a amar, a dar e a ser.

No tempo que me restar
vou continuar nesta senda
pois só quero semear

o que o futuro me dará
pois não recebemos a prenda
do que não fizermos cá

Miro Couto

06 março, 2018

Noites de Inverno



Noites de Inverno

Quando o inverno apertava
e o fogo da amizade ardia
as dores davam lugar à chama
do amor com que os recebia

eram irmãos, ou melhor, filhos
que tratei sempre como iguais
sempre os amparei nos trilhos
sendo rebeldes pardais

Não tinham horas, falavam
até ao raiar do novo dia
quase de tudo abordavam
fumavam, bebiam e comiam

Das tertúlias compartidas
das noites bem animadas
das amizades nutridas
deu lugar a pessoas amadas

Mas o inverno passou
e veio a primaveira rasteira
que com sopro tudo levou
e só deixou a poeira

Chega o verão em ousadia
e num sopro de calor
ama-se na noite e no dia
e perde-se depois o sabor

no outono bem presente
das relações de verão
há uma maneira diferente
que estranha sensação

e até que nova primavera chegue
até que o inverno volte a recolha
só na nossa história fica e segue
quem connosco está e se molha

e de penar em penar,
com um sorriso no rosto
as vezes fico a pensar
o porquê de tanto desgosto.

Mas mais alto que a bandeira
mais alto estará o sol
que há-de iluminar a cegueira
dos que me ficaram no rol.

Miro Couto
Abraços a quem é de abraços, beijos a quem é de beijos, e abreijos aos que são de abreijos, a quem não for, boa viagem e um queijo da serra.