22 março, 2007

Por mais barragens que se lhe oponham, o rio acaba sempre na foz

A nossa vida é como um rio. Nasce fraco, e pelo percurso vai encontrando dificuldades, mas vai aumentando de volume. Nessas dificuldades, somam-se os rapidos (que poderemos comparar como a nossa agitação) depois as curvas (que podemos entender como as mudanças que fazemos na nossa vida) tendo depois algumas calmas de serenidade momentanea que nos faz relaxar e pensar na luta que então travamos. Continua o rio a sua marcha, e, os homens (as vezes mulheres quando se refere a nossa vida) colocam barragens para travar o impeto e produzir energia, mas, o rio continua a sua marcha em frente. Mais a frente, juntam-se os afluentes, ou seja as boas e mas companhias, que se fundem no seu leito, e que passam a ser um só, até que alguém lhe mete outra barragem e suga o caudal dos afluentes perniciosos e os encaminha para outro lado. Continuando a sua viagem, o rio, vai encontrar novos afluentes, e alguns deles renovam a sua energia, e até porque sao limpidos, lhe dão mais oxigenio, no entanto, os homens (no nosso caso podem ser tb mulheres) ao verem que está o rio limpo e belo, lolgo se apressam a achar que teem o direito adquirido, e lhe lançam detritos para que abaixo deles ninguem possa disfrutar da beleza com que ele chegou até ali, mas, o rio, com mais uns quantos rapidos, atira com os detritos fora, e volta a oxigenar-se nos rapidos, e segue sempre em frente, até que mais barragens se lhe poeem a frente, mas, ele tem de seguir o seu percurso, e vence todas as barragens, as vezes com sacrificos, mas, depois, quando ja nao há mais hipotese de o parar e o barrar, ele vai encontrar o ultimo afluente que o segue em direcção a foz.
Assim é a nossa vida, por mais barragens que nos façam, por mais adversidades que se nos metam a frente, nós temos um percurso pre-defenido, e aí, podemos andar a curvas, saltar nos rapidos, mas acabamos sempre na calma antes de chegar a foz, com amor, tranquilidade, e paz.
A nossa vida pode ter muitos sobressaltos, mas um dia, por mais barragens que nos façam, teremos de acabar na foz, e com a paz e serenidade que merecemos pela conduta que fizemos.
Que barrem a nossa vida, que tentem alterar o seu percurso, ele continuará em frente, e segue o seu destino, e quando se abusa dele, ele enche, ele transborda, rebenta com as barragens, e faz sentir a quem quis mandar nele, que ele tem um destino que lhe foi criado pela natureza, e esse destino terá sempre de chegar ainda que demore. Assim é a nossa vida. Podemos sofrer muito, mas um dia o que nos esta reservado chegara!

Ja agora vale a pena pensar nisto.

Beijos a quem é de beijos

Miro

2 comentários:

maria joao disse...

É verdade, a vida é mesmo como um rio... gosto sempre de te ler.
Nunca mais falámos no irc mas tenho acompanhado o teu blog. E vou gostando de saber que o rio da tua vida está menos turbulento.
Sabes que muitas vezes olho para as fotos que apresentas e vejo o bom amigo que tu deves ser para todas essas pessoas que povoam a tua existência, os abraços são por demais evidência disso mesmo. E como eu também gostaria de abraçar os meus amigos, pelo menos de vez em quando... mas parece que o meu rio ainda anda por sendas turtuosas e parece que nunca mais chega a lado nenhum...
um gatnde beijo da
Maria João
( a sandalia do irc...)
que vive na serra e anseia sempre pelo mar....

Carla disse...

Ainda tanta água irá passar nesse teu rio!...
ADORO-TE!
Beijo GRANDE
>*<
carla