15 abril, 2008

O que é verdadeiramente importante








Hoje li num blog uma afirmaçao que me deixou feliz, pois quando as pessoas de facto valorizam o amor, e descobrem a verdadeira razão da vida, deixa-me sempre sorridente por saber que tão poucos la chegam pelo amor, e a grande maioria só la chega pela dôr imensa.

Se houvesse muitas pessoas a utilizar as suas capacidades na descoberta do que é realmente importante, talvez o mundo estivesse menos ganancioso e muito mais dócil e humanizado.

A maioria das pessoas só conseguem olhar para o que querem, sem se importarem com o que os outros querem, sem pensarem que as vezes o que nós queremos, não é exactamente aquilo que aqueles que amamos querem, e por isso, devemos ficar felizes quando encontram a sua paz, a sua harmonia, o seu amor, sem a ganancia do "eu quero", e nao perceberem que amar é querer bem, é ver felizes os que amamos, sem os constrangir á nossa vontade egoísta, que prende, esmaga, que faz com que se apoderem egoisticamente daqueles que sendo felizes, e por não estarem com eles, tudo fazem para conseguir os seus intentos maléficos até atingirem os seus fins.

Por outro lado, a maioria das pessoas, só se dá conta do que tem quando de facto o perde, e não valorizou em devida altura o que teve.


Como sempre, o meu poeta preferido, diz-nos com palavras simples, o que para a grande maioria é tão complicado entender,


....
Num arranco de loucura,
filha desta confusão,
vai todo o mundo à procura
daquilo que tem à mão

Porque será que nós temos
na frente, aos montes, aos molhos,
tantas coisas que não vemos
nem mesmo perto dos olhos?
...
De António aleixo

Já agora vale a pena pensar nisto

Beijos a quem é de beijos e abraços a quem é de abraços

Miro

1 comentário:

Shootingstar disse...

Pois, era exactamente esta a mensagem que eu queria transmitir. Eu sempre pus o trab acima de tudo, mas nunca fui do tipo que não olha aos meios para atingir os fins. Sempre pus o trab primeiro, no entanto também sempre me preocupei mais com os outros do que comigo... obviamente que isso só me fez levar patadas atrás de patadas... mas a gente aprende!

Neste momento acho mt engraçado as pessoas se interessarem muito e perguntarem quase a todo o momento "quem é ele?", "Quem é o que te pôs tão bem disposta?" e quando eu respondo "ninguém", não acreditam. Será que não conseguem ver que apenas ando feliz e transmito felicidade e optimismo por ter encontrado o meu equilíbrio? Por ter colocado o trab pr 2º lugar e viver mais para mim e só depois para os outros?

Continuo a ajudar toda a gente, como sempre fiz, mas primeiro ajudo-me a mim. Tento fazer coisas que me deixem feliz, coisas simples, como andar de bicicleta pelo campo, como dormir 2 horas de tarde se me apetecer e se puder, como ouvir música no mp3 e pôr-me a dançar e a cantarolar...

Acho que aprendi a ser feliz, sozinha pois (coisas do destino! não sou eu que mando!), depois de ter passado por muitas, muitas, muitas... coisas más ou menos boas.

As pessoas vêem-me feliz e não percebem que sou feliz quando ajudo os outros a ser felizes... E isso simplesmente não se consegue explicar... não é?

Um bj e muito obrigada por este post :)))