04 maio, 2005

Perder a raridade que é o amor

Ja vi este filme uma vez, e acho que é terrível repetir a imagem, de ter que sentir que um dia alguém me fez ver e sentir o que era o amor, e que por força desse mesmo amor, mandei embora, por ser o melhor para ela!
Dizem os entendidos que a história se repete, e eu, aqui sentadinho, estou farto de pensar nisso, e acho que é uma estupidez perder pela segunda vez o que tão raro e tantos anos esperei para sentir.
As circunstancias em que aconteceu eram umas, e apesar de tudo, sinto-me bem pelo que fiz, no entanto, a dor foi imensa, e passados muitos anos ainda estava marcada.
Será que terei de abdicar segunda vez porque se diz que a história se repete?
Eu que acredito sempre no melhor vou pensar que não, e acho que não são precisas duas para acertar a terceira, porque também diz o ditado, não a duas sem tres, e eu hoje estou com vontade de alterar essa ditadura de ditados populares! Ja agora pensem nisso
beijos a quem é de beijos

2 comentários:

arrozinho disse...

Olá papá do Nuerte! Estou aqui sentada a ler os teus textos... infelizmente vejo as coisas um pouco diferentes. Acho que a vida é uma constante repetição.
Tudo o k me acontece, já aconteceu a alguém ou está a acontecer ou irá acontecer!
É por isso que pedimos conselhos, pk temos consciência de que alguém já passou por isso e que nos poderá encaminhar numa linha de raciocinio!
as histórias estão sempre a repetir-se, constantemente a rodar na bobine velha de cinema... temos que aprender com elas, ou as evitamos, ou as tentamos enfrentar (da melhor maneira aconselho eu!lol).
Sabes o que apreendi contigo? É que passamos a vida toda a amar alguém ou qualquer coisa. Precisamos inevitávelmente de faze-lo, e eis tu aí a pensar nisso... num meta-amor!
Para provar isso aqui vai... amo-te muito papá!

Ana Coelho

acbelix disse...

So tu para me fazeres sentir que VALE A PENA AMAR!
Mas tu es especial!
Es a minha berdinha querida!

Beijos gaija! e nao pares nunca de amar!