04 julho, 2006

Entre o amor e a dor

Hoje em conversa com um amigo, descobri que afinal estava a cometer os erros do passado, so que desta vez nao era com pessoas que me eram pouco familiares, ou apenas conhecidas, porque estava a lutar como um desalmado para que determinada pessoa nao sofresse, e nao tivesse de ser pela dor que aprende-se mais uma lição, no entanto, acaba-se por verificar que afinal sem dôr nao se chega mesmo lá. antigamente eu pegava nas pessoas ao colo, e tentava lutar por elas ate a exaustão porque me preocupava com elas, e nao queria que sofressem, e portanto, como eu podia ajudar, rapidamente eu ajudava e ponha tudo sobre os carris, só que, em termos de elevação moral eu estava a impedir o crescimento delas. Ora como sou amigo, e como detesto ver gente a sofrer, aplico-me a fundo para evitar que as pessoas sofram, mas, hoje, aprendi mais uma vez a lição, que é, indicar o caminho, e desligar ate que a pessoa queira de facto aprender e ser ajudada, ou seja, quando a dor ja nao der para se aguentar, é que naturalmente as pessoas aí pedem ajuda.
É claro que muita coisa será limada, muita merda sera descoberta, muitas coisas se verificarão que afinal eu estava certo, mas de facto nao chegaremos la com a minha insistencia, com o meu amor, com a minha preocupação, mas sim, quando a dor for de facto grande e ja nao houver controlo dela.
Se sofremos imenso quando gostamos de alguém, e sofremos mais por sabermos o estado em que as pessoas estão, será melhor então que se esse sofrimento nao está a levar a nada, deixemos de sofrer, para que o sofrimento delas possa revertir para ajuda-las a aprender e evoluir.
Posto isto, de facto, nao tenho de me preocupar com quem nao é meu amigo, porque o meu amigo nao me quer ver sofrer, e mesmo sendo ele quem esta mal e ao ver-me sofrer por ele, deveria preocupar-se em me ajudar a passar esse sofrimento, mas, assim sendo, nao vale a pena o esforço, e, o melhor é deixar bater com os cornos na lage, como esta a acontecer com alguem que se desligou, e depois se houver alguma coisa que se aproveite logo se ve. Que Deus ajude quem precisa, e oxala que o sofrimento nao seja longo demais. Demito-me da minha função de amigo e de protector, ate que as pessoas sejam tambem minhas amigas, e procurem que eu nao sofra por elas, procurando por-se bem. E se tiverem inteligencia, verificam que amigo é aquele que sofre por nós e nos diz o que nao queremos ouvir, e nao o que nos sorri e nos empurra para a merda, ou para a infelicidade, estando sempre a dizer o que é melhor para os outros, quando apenas querem é o mal deles.

Beijos a quem é de beijos e abraços a quem é de abraços.

MIRO

1 comentário:

Anónimo disse...

I find some information here.